Liberte-se do medo de falar Inglês – 4 dicas

Inglês sem medo

A princípio, ele pode ser o terror de muitas pessoas. Difícil, diferente, impossível! São muitos os adjetivos negativos que alguns atribuem a esta ferramenta tão poderosa: o idioma inglês. Aqui conto 4 dicas simples e eficazes para se libertar do medo de falar inglês.

Durante esses vinte anos ensinando o idioma, ouço com recorrência as mesmas reclamações das pessoas que me procuram para aprender. Os relatos de sofrimento se repetem ano após ano, trazendo para parte das pessoas que precisam deste recurso um peso desnecessário.

O bloqueio

Muitos destes indivíduos relatam já terem tentado por diversas vezes iniciar cursos e mais cursos, sem sucesso. Não se adaptam a nenhum método, não gostam de alguns professores, literalmente acreditam ser impossível aprender inglês e veem seu investimento escorrendo pelo ralo ano após ano, sem evolução na prática.

Já recebi relatos, inclusive, de pessoas que criam um bloqueio tão forte com o idioma, que se veem psicologicamente abalados quando são expostos a uma situação em que se faria necessário se comunicar em inglês. As mãos suam, o coração acelera, a fala trava, e o corpo acaba por reagir fisicamente a um estímulo que deveria ser agradável. 

Eu costumo dizer que ninguém está sozinho nessa jornada. Hoje sabemos que o idioma inglês não é mais um “plus” na carreira de um profissional, mas uma necessidade básica para quem deseja crescer profissionalmente e explorar oportunidades mais interessantes e prósperas. Além disso, viajar se torna uma missão muito mais tranquila e prazerosa quando se domina o idioma que é falado em todos os lugares do mundo. 

A solução

Mas como fazer para ultrapassar tantas barreiras e começar a se sentir confortável com o inglês? Deixo aqui 4 dicas simples e eficazes para libertar-se do medo de falar inglês.

1- Não tenha pressa

É muito comum conhecer alunos que mal começam a estudar inglês e já querem “falar fluentemente”. Costumo provocar com perguntas como: “Você já viu algum médico se formar em 6 meses?”.

 “Que tal se planejar para pelo menos dois anos de estudo contínuo e pensar que, no final deste período, você já estará se comunicando em inglês se, de fato, começar agora e não desistir no meio do caminho?”.

É imprescindível que as pessoas tenham a consciência de que falar uma nova língua requer tempo e dedicação. Não há fórmula mágica, mas com constância e persistência é possível chegar neste objetivo. 

2- Escolha o método que mais te agrada

Nada mais insuportável do que estudar algo que você não gosta ou que a didática não funciona para o seu estilo de aprendizado. Lembro de alguns professores que tive na faculdade de Engenharia que transformavam qualquer aula em sonífero. Havia também os que conseguiam manter minha atenção e foco sem que eu fizesse qualquer esforço para tal. Portanto, busque um curso, mentoria ou professores particulares que te tragam bem-estar no momento de estudar, que consigam prender a sua atenção e que te motivem a continuar.

Para absorver qualquer conteúdo sem sofrimento, é necessário que as experiências de aula te deem prazer, que sejam interativas e leves. Assim, o que antes era um sacrifício, passa a ser um momento não só de desenvolvimento de habilidades, mas também de lazer. 

3- Se exponha ao idioma e use a tecnologia a seu favor

Essa é uma das dicas que costumo passar nas minhas primeiras aulas: “Imagine que você está estudando inglês uma vez por semana, por duas horas, e só volta a ter contato com o idioma sete dias depois. Qual o resultado você espera disso?”.

Parece óbvio, mas por incrível que pareça, muitas pessoas não refletem sobre essa falta de contato com a língua e caem no limbo do “entra e sai de cursinho de inglês”. 

Para manter o cérebro em consonância com um novo idioma, é importante que o indivíduo se exponha o maior tempo possível do seu dia à língua. Como fazer isso? É possível começar mudando o idioma do telefone celular para inglês, por exemplo. A partir disso, a pessoa já terá um estímulo diário com palavras na língua estrangeira.

Há também uma infinidade de aplicativos que ajudam no aprendizado de idiomas, por exemplo, os que mostram uma palavra nova em inglês a cada vez que a pessoa desbloqueia o próprio aparelho de celular.

Ouvir músicas, podcasts, assistir vídeos (mesmo com legenda em português) no idioma estrangeiro, também são formas de ensinar nosso cérebro a se acostumar com as novas palavras, a pronúncia, a entonação e até o ritmo das falas. Portanto, quanto mais exposição ao inglês, mais rápido será o aprendizado. 

4- Fluência é saber se comunicar

Em apenas um clique, é possível encontrar em sites de busca milhares de opções de cursos, aplicativos, professores, aulas online, e outros recursos para aprender inglês. Também é muito comum ouvir as mais diversas, e até contraditórias, opiniões de professores do idioma pelas redes sociais.

Alguns prometem a “fluência” em seis meses. Outros te vendem cursos para “falar igual a um nativo”. Há também os que dizem que somente com um intercâmbio você poderá “alcançar a verdadeira fluência”. Acredito que não exista uma regra absoluta ou um método perfeito, mas tenho alguns pontos de vista que podem ajudar algumas pessoas a aliviar o peso da cobrança da tal “fluência”. 

Pense nisso:

Para começar, o inglês é um idioma falado globalmente, o que significa que pessoas de inúmeros países falam inglês com algum tipo de sotaque diferente. Sotaque todos têm algum, até dentro de um mesmo país. Portanto, não; as pessoas não precisam falar “inglês nativo” para conseguirem evoluir profissionalmente ou para viajar.

Existem mais falantes de inglês “não-nativos” do que os próprios nascidos em países em que este é o idioma materno.

Além disso, a definição do que é fluência é bastante subjetiva; tudo vai depender da necessidade de cada pessoa. Há indivíduos que precisam do inglês para trabalhar com clientes estrangeiros, outros que precisam para escrever teses de doutorado, ou os que querem falar inglês apenas para viagens. Se todas estas pessoas conseguirem atingir o objetivo de se comunicar em inglês e realizarem suas tarefas de forma eficiente e compreensível, será que elas estão em um mesmo “nível” do que é chamado de fluência?

 Será que existe algum tipo de régua para delimitar o que é fluência ou não? O que realmente importa é a habilidade de comunicação.

Quando as pessoas se libertam da obrigação de falar “fluentemente” e começam a focar na “compreensão mútua”, todo o resto começa a de fato, fluir. 

******************************************************************

Monik Paiva é Engenheira de Produção, empreendedora digital e multiprofissional. Membra da Future Females Business School. Fundadora + CEO + Teacher do movimento de mulheres Inglês das Minas. Tem como missão transformar o mundo e a vida das mulheres através do ensino de inglês acessível e acolhedor.

> para conhecer: @souinglesdasminas | contato: [email protected]

>> Que tal entender melhor o impacto das emoções no aprendizado? Recomendamos o artigo “Quando as emoções tomam conta do nosso ser”, da coach @joincy-luz

>>> agradecimento pela imagem: @freepick

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter


outros artigos recentes

Segurança Psicológica

Segurança Psicológica de Times – O Novo Ovo de Colombo?

Temos nos deparado com altos e preocupantes índices de rotatividade, escassez de profissionais qualificados, pedidos de desligamento em massa e burnout. As relações de trabalho devem mudar para se adequar às expectativas das pessoas. O principal princípio? Segurança Psicológica! Vem com a gente.

Ler mais »
fui demitido! E agora?

Day After: Fui demitido, e agora?

A dor da perda do trabalho é comparada à dor do luto e, como tal, requer tempo para assimilar e estar pronto para o novo. Há dicas preciosas para ajudar neste caminho, te preparando para o êxito. Conheça-as!

Ler mais »

friendsBee, polinizando o bem.

friendsBee, polinizando o bem.