Minha existência, minha expressão no mundo, meu EU

A expressão do meu Ser

“É trágico não se lembrar de si mesmo. E não notamos que não lembramos. Lembrem-se de vocês sempre e em todo lugar.” G.I. Gurdjieff

Pergunte-se, neste exato momento: Quem está lendo esse artigo? Sou o Eu Real ou o Eu que representa um personagem, um papel?  Quais os adjetivos atribuídos a si mesmo? Qual o seu interesse? Qual a sua intenção ao ler este artigo?

             Tudo na vida precisa ter um significado, um porque, isso é o que nos conecta com nossa essência.

Tenho percebido, a cada dia com mais frequência, o quanto as pessoas estão buscando alternativas, recursos, cursos, processos terapêuticos, retomadas de práticas espirituais, novas filosofias de vida, enfim, buscando a si mesmas.

Fazemos muitas interações utilizando recursos digitais, como Whatsapp, Instagram, Google Meet, Teams, Zoom, e outros, mas isso não basta. Muitos continuam se sentido solitários, desconectados. Os dias estão sem sentido, uma sensação de maior tristeza, angústia e ansiedade.

Está faltando mais o olho no olho, o abraço, a presença, a troca de afeto, a proximidade. Vale ressaltar que isso se dá independentemente do espaço físico em que se está. Em algumas situações pode-se estar na cozinha, na sala ou no quarto, em interação presencial, mas ainda assim, sem toque, é como se virtual fosse.

Estamos precisando aprender a nos conhecer e a ter disponibilidade para conhecer o “outro”.

Minha expressão no mundo, meu EU

Há de se considerar que, ao longo de nossa jornada existencial, aprendemos a representar diversos papéis: filho, filha, amiga, amigo, colega, cônjuge, estudante, profissional, etc., e vamos aumentando nossas máscaras, trocando algumas moedas para ganharmos mais ou menos atenção, valorização e reconhecimento, promoção, dinheiro, status social, e nos distanciando de quem somos, de qual é o meu EU real, minha alma, minha consciência.

Dedicamos nossos segundos, minutos, horas, dias, expressando um Eu aprendido, respondendo a estímulos externos, vivendo dias glamorosos, viagens, sefies, roupas e sapatos, ternos, sem nos conectarmos. Afinal por que EU estou vivo?

Eu acredito que o sentido da minha existência, neste Planeta Terra, neste século, neste país, nesta família, tem um propósito maior, que visa contribuir com as pessoas com as quais me relaciono, assim como aprender e reaprender, continuamente, buscando a evolução e não apenas o crescimento.

Indagações ao seu EU

Te faço um convite: pare, respire e silencie-se. O que te traz aqui, agora? Sinta o seu corpo, note sua presença.

Sossegar a mente e conectar-se com Você é o segredo da Vida. Temos despendido nossos olhares, nossas observações, nosso tempo, em ter e não em ser.

Reflita o que tem feito de diferente no dia a dia, quais os ganhos do seu jeito de ser? O que pode fazer que ainda não está fazendo?

O que ainda lhe causa medo, insegurança, porque não se sente seguro em conviver com a sua fragilidade? Como pode contar com a outra pessoa sendo a sua complementariedade, e ainda, como aprender a viver e a conviver com mais serenidade, alegria e se divertindo com frequência?

Sua ação faz a diferença no mundo

Podemos transformar este Planeta. Se cada um de nós perceber que somos especiais e diferenciados, com um potencial enorme para fazer e acontecer, desde que o seu e o meu propósito estejam bem definidos, seja evidente e real, apostando no bem estar, no bem comum, na promoção da felicidade, em trabalhos colaborativos, podemos transformar a atual realidade. 

Não é possível acreditar que ser Ser Humano #deuruim. Afinal, quantas histórias de vida estão sendo contadas na mídia de pessoas que, diante das tragédias de outras vidas humanas, estão se articulando e atuando como mobilizadoras, se desprendendo do seu conforto material e social, com o único objetivo: minimizar o sofrimento do outro Ser que está em desgraça, e este é o verdadeiro trabalho.

Busque produzir, trabalhar, em prol de outras pessoas. Resgate sua humanidade, sem precisar divulgar para os demais o que está fazendo. Caridade e compaixão estão sendo demandadas.

Trabalhar, fazer, influenciar, posicionar-se para que outras pessoas não percam a oportunidade de continuar respirando e sobrevivendo, reconstruindo-se.

Muito do que está acontecendo é em decorrência de tantos egos desorientados e desalmados, de tanta necessidade de poder e de perpetuação, esquecendo que na Vida tudo passa, tudo tem um fim.

Como atuar para o mundo que se quer viver?

Podemos transformar esta realidade? Claro que sim. E, para isso, é preciso acessar sua consciência humana.

Comece em sua casa, olhe e escute mais as pessoas com as quais você dorme e acorda todos os dias. Depois expanda para as suas relações sociais, chegue até o local de trabalho e pense em como você tem se posicionado nas mesas de tomadas de decisões. Qual a oportunidade que você tem de fazer algo que beneficie as outras pessoas? O seu coletivo? Você pode e deve tomar decisões mais propositivas, mais colaborativas e menos egoicas. Expandir a sua consciência profissional é o caminho.

Precisamos nos integrar cada vez mais para que cada um possa contribuir com a sua essência. Podemos firmar compromissos de humanidade, de relações mais transparentes e verdadeiras, de integração, inclusão e valorização entre as diferentes “tribos” e incentivar ações mais coletivas. Para isso será preciso abrir mão de papéis, máscaras, status, relação de eu ganho e você perde.

Sinceridade começa em si

Há várias perguntas que me inquietam muitas vezes ao dia:

  • Será que estou disposta a me desapegar das minhas crenças?
  • Sinto confiança em me posicionar de forma diferente?
  • Consigo abrir mão de tudo o que tenho para compartilhar com os demais?
  • Por que estou sendo chamado para trabalhar com esse tema e com essas pessoas?
  • O que mais preciso aprender?
  • Como me percebem, sou Eu mesma?
  • O que quero mais e o que não quero mais em minha vida?

Boas e verdadeiras reflexões à se fazer.

*******************************************************

Cecilia Barboza atua como Consultora de Desenvolvimento Humano, Coach, Painelista e Palestrante

Gosta do tema? Recomendamos também:

=> Crenças Limitantes, a vida conduzida pelo inconsciente, de @aline-paixao

=> Como está a sua bagagem da vida, de @marcelo-bandeira

✨Agradecimento pela imagem: @jessicafelicio

Compartilhe



outros artigos recentes

Uma vida significativa tem paixão

Uma vida significativa tem paixão

Se o Propósito é o motor da vida, a paixão é o combustível que conecta as pessoas. Juntos, formam o segredo da vida significativa. Executivos que preservam espaços de reflexão são capazes de perceber como seus padrões impactam na qualidade de suas escolhas.

Ler mais »
Planejamento de Carreira

A pandemia e o desejo de mudar de carreira

Você tem se perguntado a razão de não estar feliz no trabalho? Saiba, você não está só. São 46% de profissionais que pensam em mudar de emprego ou carreira neste ano. É super natural sentir medo de uma mudança radical. Venha mergulhar nesta reflexão, entender a sua insatisfação e descobrir caminhos para mudar e ser mais feliz.

Ler mais »
Segurança Psicológica

Segurança Psicológica de Times – O Novo Ovo de Colombo?

Temos nos deparado com altos e preocupantes índices de rotatividade, escassez de profissionais qualificados, pedidos de desligamento em massa e burnout. As relações de trabalho devem mudar para se adequar às expectativas das pessoas. O principal princípio? Segurança Psicológica! Vem com a gente.

Ler mais »

friendsBee, polinizando o bem.

friendsBee, polinizando o bem.