Saúde Mental e o Setembro Amarelo

“Morrer é uma coisa que se deve deixar sempre pra depois.”        Millôr Fernandes (1923-2012) 

Setembro, o mês da prevenção ao suicídio, representado pela cor amarela, cor essa que vem representando a saúde mental. Ao decorrer do texto lhe convido a conhecer um pouco do tema e algumas dicas para a busca do bem-estar psicológico.

A saúde mental está relacionada em como enfrentamos o mundo, harmonizamos os nossos desejos, emoções, ideias e interação com a sociedade. Em sua definição seria um estado de bem-estar. 

Nestes dois últimos anos, o tema ficou em alta devido à pandemia que enfrentamos, onde tivemos que criar mecanismos e novas maneiras de viver e interagir. Houve relatos de agravamento de pessoas que já sofriam de algum tipo de transtorno psicológico, assim como a ansiedade e depressão. Diante aos enfrentamentos trazidos, houve uma grande busca sobre o autoconhecimento e maneiras de promover a saúde, tanto no aspecto social, quanto individual.

 O Setembro Amarelo é uma campanha com o intuito de prevenir o suicídio. Neste mês há diversos projetos pelo Brasil inteiro, promovendo ações, rodas culturais e redes de apoio para a população.

Acredita-se que a divulgação de notícias sobre casos de tentativas de suicídio pode encorajar pessoas pelas quais passam por situações delicadas, se tornando uma grande questão da saúde pública, pois se faz necessário capacitar equipes  de atenção primária em saúde mental para identificar, abordar e cuidar para que a pessoa tenha seu espaço na comunidade,  sendo este uns dos principais pontos da prevenção. Estar cercada de apoio.

Ações em prol da saúde mental:

Sabendo que, para estarmos aptos a mantermos uma vida prazerosa e divertida, precisamos cuidar de nossa mente e corpo, seguem algumas dicas para a promoção de sua saúde psíquica:

  • Cuide da alimentação.
    A comida tem uma relação direta não somente com o nosso corpo, mas também com a nossa mente.
  • Priorize o sono.
    Se faz necessário ter uma boa noite de sono, pois quando isso não acontece pode agravar transtornos, tanto emocionais quanto mentais.
  • Tenha momentos dedicados às pessoas queridas.
    Esteja perto de pessoas que lhe provém o bem e boas sensações.
  • Reserve um tempo para o lazer.
    Sabemos da importância do trabalho, mas tire um tempo para praticar algum hobby, algo que te traga outras fontes de felicidade.
  • Desenvolva sua espiritualidade
    A espiritualidade independe de crença ou religião. Está relacionada à forma como olhamos o mundo.
  • Conheça a si mesmo.
    Há infinitas maneiras de se conhecer, pratique atividade que goste, como teatro, arte, exercícios físicos. Procure uma terapia que se identifique.
  • Permita-se sentir.
    É importante aceitar todos os nossos sentimentos. Nossa cultura impôs que não é bom sentir raiva ou tristeza, mas estes sentimentos são importantes para que possamos ficar mais fortes e valorizarmos os sentimentos de amor, alegria, realização.

Sabe-se que não há plenitude em meio ao caos. Estamos sempre enfrentando problemas sociais, culturais, econômicos e ainda vivendo com a nossa subjetividade. Sendo assim, não há receita para felicidade, mas podemos tentar buscar formas de enfrentamento diante às barreiras a nós impostas.

Que saibamos reconhecer e procurar ajuda quando se fizer necessário. 

********************************************

Rayane é graduada em psicologia com ênfase em psicanálise e é a psicóloga da friendsBee, além de atuar na clínica Libertare psi, da qual é co-fundadora. É também poeta e professora. Instagram: @libertarepsi

>> Leia também a emocionante e inspiradora história de superação da depressão em: No fundo do poço pode haver um trampolim

>>> Obrigada pela imagem, @edu-lauton ✨

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter


outros artigos recentes

parentalidade, mãe e carreira

Parentalidade, a empresa e o trabalho de gerir um outro ser

Quando nos tornamos mães entramos em um campo que não dominamos, mas exigimos de nós mesmas sermos PhD.
É uma nova função e, tal qual qualquer nova atividade, precisamos nos dedicar à aprendizagem. Precisamos falar sobre o puerpério, sobre a solidão que sentimos estando ao lado da pessoa que se tornou a mais especial em nossas vidas, mas que não preenche o vazio que estamos sentindo, sem culpa. Não temos que ser fortes o tempo todo.

Ler mais »
Como está a sua bagagem da vida?

Como está a sua bagagem da vida?

A mudança de país, onde não se tem vínculos emocionais, pode comprometer a saúde mental. Somos seres relacionais e a nossa identidade está vinculada às pessoas que nos conhecem e a quem conhecemos. É na interação que nos reconhecemos. Mudar de país pode ser sofrido, mas também um mergulho no autoconhecimento.

Ler mais »
Hyung Sung, o apanhador de mexericas em Santiago de Compostela

Apanhador de mexericas

Por que não? esta simples pergunta pode nos impulsionar às mudanças que queremos mas hesitamos. Caminhe com Hyung neste texto rico em descobertas e paralelos com o mundo Corporativo.

Ler mais »

friendsBee, polinizando o bem.

friendsBee, polinizando o bem.