Toda grande força emerge de uma grande fraqueza superada

Nunca testemunhei uma vida fácil. Dentre as pessoas que conheço e aquelas cuja vida estudei, existem algumas que reclamam da vida e outras que pararam de reclamar das dificuldades e começaram a agradecer inclusive por tais dificuldades. É bem verdade que também encontro algumas num estágio intermediário: já pararam de reclamar (ao menos de verbalizar), mas ainda não agradecem pelo que passou, do jeito que foi, pelo preço que lhes custou.

É mesmo um longo caminho. Um caminho cheio de desafios, de cansaço, de confusão, de quedas e recomeços. Muitos precisamos parar pra descansar e felizes são aqueles que encontram acolhimento nestas paradas. Alguns ficam pela estrada sem nem procurar um pouso, porque se lembram das vezes que procuraram e não encontraram. Para esses é cada vez mais difícil a retomada. Quanto mais olham pras limitações, menos enxergam as motivações para prosseguir. Até certo ponto há escolhas. Depois, há não-escolhas, fruto da precariedade, num ciclo vicioso, cada vez mais escuro. A sensação é de cegueira, fraqueza e impotência.

Mas, claro, não estamos aqui – nesta vida – para parar nas impossibilidades. Viemos para aprender e exemplificar “como fazer do limão a limonada”.   

Imaginemos alguém que nasceu com “tudo pronto”, numa família que lhe provê tudo o que quer, antes mesmo dela se dar conta do que quer. O que acontece quando esta pessoa encontra uma situação de vida em que os pais já não podem prover? Que musculatura ela desenvolveu para enfrentar desafios? Que habilidades ela tem para encarar a dificuldade e começar a desbaratar os nós, um por um, até que o emaranhado se transforme numa ponte para algo melhor e maior? A pessoa que só sabe receber perde contato com a abundância dentro de si, porque sempre espera que os recursos venham de fora.

No outro extremo, imaginemos alguém que nasceu com “nada pronto”, numa família desprovida de possibilidades materiais, morais ou afetivas, sem vínculos. Que parâmetro de sucesso terá a sobrevivência desta pessoa, até chegar à vida adulta? Qual a musculatura dela para superar adversidades? Qual a sua capacidade de estabelecer relações de confiança? Considerando que a maioria de nós vive situações intermediárias, mas em muito diferentes graus de desafios, o que nos iguala em humanidade? 

Como disse Dalai Lama:

“O que todos os seres humanos têm em comum, é que todos querem ser felizes e evitar o sofrimento.”

O que nos individualiza é o COMO caminhamos para este objetivo. Sendo inevitáveis os desafios e dores neste mundo, como olhamos para eles? Em que ponto pedimos ajuda? Como valoramos o apoio que recebemos, seja das pessoas que há muito caminham ao nosso lado, seja daquelas menos prováveis. Conseguimos enxergar a bondade de quem nos estende a mão, ou fechamos os olhos de vergonha pelo que nos falta? O que o “fundo do poço” tem a nos oferecer, se não a concretude inexorável da impossibilidade de sairmos de dali sozinhos?

Pra quem sente Deus, que Deus seria capaz de criar alguns com “tudo” e outros com “nada”? Pros agnósticos ou ateus, que lógica abraçaria a alguns que atravessam a estrada da vida cantando e outros que desistem de caminhar? A única resposta em que as inteligências intelectual, emocional e espiritual convergem é a que olha para os seres vivos em conjunto.

Ninguém veio ao mundo numa jornada autocentrada. Somos interdependentes. Ensinamos e aprendemos graças a nossas decisões individuais, que podem variar. Mas sempre, necessariamente, uns com os outros.  Ou seja, querer nos conectar é um primeiro passo. Até aí vai nosso livre arbítrio. Conseguir conexões perenes requer mais que vontade; requer exercício e perseverança, num trabalho contínuo de auto conhecimento e concordância.

Bert Hellinger, conhecido pelo desenvolvimento das Constelações Familiares, falava em três concordâncias essenciais à prosperidade dos sistemas:

concordar conosco como somos, com o outro como é e com a vida como ela é.

É importante notar que o livre arbítrio não basta para transformar desejo em possibilidade. Entre um patamar e outro sempre existem desafios a serem superados.

No outro extremo, a opção pela não conexão é necessariamente temporária – ainda que leve uma vida inteira. As relações trazem riscos, sempre. Mas se nos isolamos, a vida fica sem sentido e perdemos força. E o tempo, aliado, traz oportunidade atrás de oportunidade para revermos esta opção. 

Toda grande força emerge de uma grande fraqueza superada, porque é diante da impotência que só nos resta a humildade de estender a mão e aguardar a outra mão que vem se juntar à nossa. É no fundo do poço que paramos pra olhar ao redor e pra cima.

Enquanto seguimos numa estrada reta, sentindo-nos autossuficientes, contamos apenas com o que já trazíamos. Enquanto caímos num buraco dessa estrada, olhamos pra baixo e focamos no que falta. Lá do fundo, percebemos que já sobrevivemos ao pior, que é a ilusão de caminharmos sós. De quantos buracos precisaremos pra sentir o chão que ampara o nosso peso, depende de muitos fatores. Até que aprendamos a agradecer por tudo que já somos, já sabemos, já temos, já podemos, não seremos livres e lúcidos sequer pra fazer esta conta.

Só mais uma reflexão: Toda grande força emerge de uma grande fraqueza superada porque, quando o outro nos puxa pra fora do poço, desejamos ter músculos para também puxá-lo, se ele precisar. É só na relação que a força se faz útil. 

Gabriela Assmar, advogada, mediadora e consteladora.

Para conhecer mais visite: https://viaconcordia.com.br/

Gostou do tema? leia também => https://www.friendsbee.com/beeblog/nossa-historia-perspectiva-de-passado-presente-e-futuro/

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter


outros artigos recentes

A felicidade em ser você,

A felicidade reside em ser você e não o que outros esperam de você. Não é simples, não é fácil, mas Ser Você é o único caminho para ser feliz.

Ler mais »

friendsBee, polinizando o bem.

friendsBee, polinizando o bem.